Saúde

Pacientes com câncer de sangue são mais vulneráveis ​​ao COVID-19
Um estudo recentemente publicado liderado pelas Universidades de Oxford e Birmingham descobriu que, em comparação com outros tipos de câncer, os pacientes com câncer no sangue são mais vulneráveis ​​aos efeitos da pandemia do coronavírus.
Por Oxford - 26/08/2020


Um estudo recentemente publicado liderado pelas Universidades de Oxford e Birmingham descobriu que, em comparação com outros tipos de câncer, os pacientes com câncer no sangue são mais vulneráveis ​​aos efeitos da pandemia do coronavírus - Crédito da imagem: Shutterstock

O estudo, publicado na Lancet Oncology hoje pelo UK Coronavirus Cancer Monitoring Project (UKCCMP), descobriu que pacientes com câncer de sangue estavam particularmente em risco, com probabilidade 57% maior de doença grave se contraírem COVID-19. Isso foi quando comparado a outros pacientes com câncer, como câncer de mama, que demonstrou ter o risco geral mais baixo.

Em linha com o que já sabemos sobre a pandemia de coronavírus, a idade mostrou ser um fator no desfecho geral, com pacientes com câncer acima de 80 anos tendo a maior frequência de mortalidade.

Como o COVID-19 se espalhou globalmente no início de 2020, os pacientes com câncer foram identificados como um subgrupo que estava potencialmente em um risco aumentado de infecção por COVID-19 e potencialmente sofrendo consequências de doenças mais graves. Foi essa preocupação que levou à formação do projeto nacional UKCCMP.

Como os tratamentos de câncer precisam continuar durante a pandemia, este estudo fornece aos médicos e pacientes informações importantes para tomar decisões informadas sobre o tratamento. A produção de tabelas de risco para os diferentes tipos de câncer permitirá que os médicos discutam os riscos e benefícios com os pacientes, para que juntos escolham a melhor forma de tratar o câncer de cada pessoa. O estudo também fornece uma base de evidências a partir da qual hospitais e outros profissionais de saúde podem criar medidas para garantir que eles mantenham o acesso a tratamentos que salvam vidas com a maior segurança possível.

Desde março, mais de 60 centros de câncer em todo o Reino Unido inseriram dados no banco de dados do UKCCMP com informações sobre pacientes adultos com câncer que contraíram COVID-19. O projeto foi criado para ajudar os pesquisadores e médicos a entender melhor quais grupos de pacientes com câncer estão em maior risco de COVID-19 grave.

Usando dados demográficos, como idade, sexo e tipo de tumor, os pesquisadores foram capazes de determinar que pacientes com cânceres hematológicos, particularmente pacientes mais velhos e aqueles com leucemia, tiveram uma trajetória COVID-19 mais grave em comparação com pacientes com tumores de órgãos sólidos.

A professora Rachel Kerr, pesquisadora sênior do estudo da Universidade de Oxford, disse: 'Usando esses novos dados, estamos trabalhando rapidamente para identificar tendências e correlações, o que nos permitirá criar uma ferramenta de avaliação de risco em camadas para que possamos definir com mais precisão o risco para um determinado paciente com câncer e afaste-se de uma política geral de “vulnerabilidade” para todos os pacientes com câncer, no caso de uma segunda onda de COVID-19. '

O Dr. Lennard Lee, Professor Clínico Acadêmico da Universidade de Oxford, disse: 'Pela primeira vez, temos uma análise abrangente para determinar quem corre mais risco de contrair COVID-19. É importante notar que, embora os pacientes com câncer sejam mais vulneráveis, a chance de qualquer paciente ser infectado com COVID-19 permanece baixa. As pessoas com câncer podem ter certeza de que tudo está sendo feito nos centros de câncer do Reino Unido para minimizar efetivamente o risco de infecção, de modo que os tratamentos que salvam vidas possam continuar a ser administrados. '

O professor Gary Middleton, da Universidade de Birmingham e presidente do Projeto de Monitoramento do Câncer Coronavírus do Reino Unido, disse: 'Os pacientes estão se voltando para seus oncologistas e querem saber exatamente qual é o risco do COVID-19. Isso é particularmente importante porque o número de casos na Europa e no Reino Unido ainda é instável. O UKCCMP continuará a trabalhar para compreender o efeito do COVID-19 em pacientes com câncer e serviços oncológicos para garantir o melhor atendimento possível nos próximos meses. '

 

.
.

Leia mais a seguir