Saúde

Especialistas alertam sobre catástrofe iminente com a escalada da pandemia
O alerta é do Observatório Covid-19 BR, que reúne pesquisadores que atuam de forma independente para disseminar informações de qualidade sobre a pandemia
Por USP - 04/03/2021


Reprodução

Uma catástrofe se aproxima, mas ainda podemos evitá-la. É desta forma que o Observatório Covid-19 BR, grupo que reúne 85 pesquisadores associados a 28 instituições nacionais e internacionais, entre elas USP, Unesp, Unicamp, Fiocruz, UFABC, Universidade de Berkeley e Universidade da Califórnia, intitula a nota técnica divulgada no dia 3 de março sobre o crescimento do número de casos de covid-19 no Brasil. Leia a nota na íntegra:

Destaques

• A epidemia no Brasil está em ampla ascensão, com números de novos casos, hospitalizações e óbitos alarmantes.

• Medidas restritivas imediatas para evitar esse espalhamento tão alarmante precisam ser estabelecidas em todo o território nacional. Tais medidas só poderão ser abandonadas quando índices de casos e mortes atingirem patamares muito mais baixos que os atuais.

• A falta de uma coordenação centralizada pelo governo federal tem dificultado todas as medidas eficazes no combate à epidemia no País, que até o momento conta com poucas estratégias de testagem e rastreio de contactantes, atrasos na vacinação e demora para retomada de auxílio emergencial às pessoas mais carentes, para que elas possam sobreviver a este período de restrições econômicas e de mobilidade.

• A população e seus representantes no Congresso e Senado devem exigir que os Governos tomem as devidas medidas imediatamente.

O número de casos, hospitalizações e óbitos devidos à Covid-19 no Brasil tem crescido de forma alarmante desde meados de fevereiro, atingindo presentemente marcas nunca antes alcançadas, levando-nos à beira do colapso no sistema hospitalar.

As causas da atual situação são múltiplas. A explosão de casos que vemos hoje, porém, não é completamente passível de explicação sem que se considere o papel do surgimento e da disseminação de ao menos uma nova variante viral muito mais transmissível do que as que já circulavam antes no País. Uma variante mais transmissível acelera a epidemia e gera a necessidade de medidas de saúde pública mais firmes e restritivas. Termos chegado a esta situação foi, sem dúvida, devido à falta de senso de urgência dos governantes, de compromisso com a vida como prioridade e, sobretudo, à inexistência de ações e de coordenação do governo federal visando a mitigar a epidemia. Agora é a hora de mudarmos isso e evitarmos uma catástrofe ainda maior.

A primeira medida a ser tomada é a adoção de um lockdown estrito, com fechamento de estabelecimentos não essenciais e limites à circulação das pessoas, com o propósito de evitar novos contágios. O lockdown estrito compreende a abertura somente daqueles serviços realmente essenciais, tais como mercados, farmácias e locais de atenção à saúde. Sabemos o custo imediato disso, mas não há outra maneira de se evitar o colapso hospitalar generalizado, que gera desespero e mortes, além de efeitos devastadores para a economia.

A duração deste lockdown deve ser melhor estudada em cada região, mas deverá durar, no mínimo, 14 dias. Já a urgência de instituí-lo é imediata. Somente poderemos abandonar esta medida restritiva quando os índices de casos e mortes atingirem patamares muito mais baixos que os atuais.

Os impactos de tal lockdown para a população necessitam ser mitigados por um novo auxílio emergencial sem condicionalidades, que precisa ser urgentemente aprovado pelo Congresso Nacional. O valor do auxílio, tendo em vista a situação de emergência do País, deve estar alinhado com as necessidades da população de fazer frente à sua subsistência. Também é necessário que o auxílio não seja extinto antes de resolvido o problema agudo de saúde pública.

Um plano de restrições à mobilidade como aqui apontamos, junto com as demais intervenções não farmacológicas, precisa delinear uma estratégia de retomada progressiva das atividades cotidianas, tão logo a situação da pandemia – agora catastrófica – apresente melhora expressiva.

Tem-se visto, em vários países no mundo, o sucesso de estratégias de testagem, quarentena e rastreio de contactantes, que abriria um caminho alternativo ao lockdown. No Brasil, tais estratégias não foram implementadas, mesmo após mais de um ano de pandemia, com exceção de alguns poucos municípios. Estamos atrasados e isso tem que mudar imediatamente, com mais atenção e investimentos em todas as esferas de governo.

É também fundamental acelerar o ritmo de vacinação no País, para que ocorra uma queda na incidência de casos graves e mortes, como em diversos países que estão com melhores coberturas vacinais. O Brasil tem o Sistema Único de Saúde (SUS) e seu Programa Nacional de Imunizações (PNI) que dispõe de estrutura de serviços de saúde e expertise em campanhas de vacinação que podem rapidamente ampliar as coberturas vacinais, mediante disponibilidade de vacinas.

O governo federal brasileiro abandonou os esforços de coordenação quanto à mitigação da epidemia. Neste momento, somos uma constelação de 27 unidades federativas sem políticas coerentes e sem centralidade, muitas com estruturas assistenciais à beira de um colapso. É preciso que se busque algum tipo de concertação para dar efetividade às medidas que são, repetimos, imperativas. As políticas adotadas até aqui, limitadas a gerenciar leitos hospitalares, se mostraram absolutamente incapazes de controlar a disseminação do vírus, nos levando à crise atual.

Sem nenhuma estratégia de contenção da epidemia, o Brasil tornou-se terreno fértil para a emergência de novas variantes de Sars-Cov-2 e sua propagação, ameaçando não apenas o País, mas todo o mundo. A intensa circulação do vírus no Brasil possibilita o surgimento de novas mutações de preocupação. A ameaça global em que se transformou o Brasil coloca o País em risco de isolamento internacional não apenas por meio do fechamento de fronteiras, mas também pela possível imposição de sanções. As consequências disso para o País, para a economia, para suas relações futuras com o resto do mundo poderão ser severas.

• A adoção imediata de um lockdown estrito, com a abertura somente de serviços essenciais, e restrições severas à circulação de pessoas em todo o país. Para manutenção dos serviços essenciais há que se oferecer condições seguras para o deslocamento dos trabalhadores e para a realização de suas atividades.

• A aprovação imediata de um auxílio emergencial no valor de R$ 600,00 (refletindo o custo da cesta básica) até, no mínimo, que os indicadores da epidemia tenham se reduzido para possibilitar a reabertura da economia.

• A ampliação maciça da campanha de vacinação, com a compra de doses de vacinas, tanto importando de outros fabricantes, quanto dando maior apoio à produção nacional.

• Testagem com agilidade de todos os casos suspeitos e seus contatos, e acompanhamento de contactantes.

O tempo da pandemia, agora, tem que ser medido em dias e horas, não mais em semanas e meses. O compromisso com a vida exige isso do Brasil, dos seus governantes e de cada um de nós. O senso de máxima urgência se impõe nesta hora em que a vida dos brasileiros está em risco.

Observatório Covid-19 BR

O Observatório Covid-19 BR é uma iniciativa independente, fruto da colaboração entre pesquisadores com o desejo de contribuir para a disseminação de informação de qualidade baseada em dados atualizados e análises cientificamente embasadas. Os pesquisadores criaram o site com códigos de fonte aberta que os permite acompanhar o estado atual da epidemia de covid-19 no Brasil, incluindo análises estatísticas e previsões. Confira a lista dos pesquisadores envolvidos:
• Alcione Miranda dos Santos (UFMA)
• Alexandra Crispim Boing (Departamento de Saúde Pública – UFSC)
• Ana Freitas Ribeiro (médica sanitarista @ IIER – professora Uninove e USCS)
• Ana Paula A. Assis (pós doc @ IB-USP)
• Andrea Sánchez-Tapia (pós doc JBRJ)
• Andrei Michel Sontag (mestrando @ IFT-Unesp)
• Antonio Fernando Boing (Departamento de Saúde Pública – UFSC)
• Brigina Kemp (assessora técnica @ COSEMS/SP)
• Carine Emer (bióloga Cemave)
• Camila Genaro Estevam (mestranda FCM-Unicamp)
• Carlos Tautz (jornalista)
• Caroline Franco (doutoranda IFT-Unesp)
• Cecília S. de Andreazzi (tecnologista Fundação Oswaldo Cruz)
• Danilo G. Muniz da Silva (pós doc IB-USP)
• Débora Y C Brandt (doutoranda UC Berkeley, Estados Unidos)
• Diogo Melo (pós doc IB-USP)
• Eleonora D’orsi (Departamento de Saúde Pública- UFSC)
• Erika Marques Santana (técnica IB-USP)
• Fabiana Rodrigues Arantes (física e artista)
• Flávia Maria Darcie Marquitti (pós doc IFGW e IB – Unicamp)
• Flávia Marques Ferrari (bióloga, professora, autora de materiais didáticos IB-USP)
• Gabriela Rodrigues de Araujo (doutoranda Zurique, Suíça)
• Giuliano Boava (Departamento de Matemática – UFSC)
• Guilherme Valle Moura (Departamento de Economia e Relações Internacionais – UFSC)
• Gustavo Burin (pós doc IB-USP)
• Henrique dos Santos Flores (físico)
• Hugo Fernandes-Ferreira (professor UECE / Science Vlogs Brasil)
• Irina B. Barros (doutoranda University of California)
• Irina Lerner (bacharelanda CCM-USP)
• Janaina Vargas de Moraes Maudonnet (doutora em Educação USP)
• Jose Cassio de Moraes (professor FCMSCSP)
• Josimari Telino de Lacerda (UFSC)
• Júlia Yoko Lopes Yamaguti (bacharelanda UFABC)
• Karina de Cassia Braga Ribeiro (professora FCMSCSP)
• Kate P. Maia (pós doc IB-USP)
• Laís de Souza Alves (doutoranda IF-UnB)
• Laura Segovia Tercic (bióloga, pós-graduanda LabJor)
• Leandro G. Cosmo (doutorando IB-USP)
• Leonardo S. Bastos (pesquisador PROCC/Fiocruz)
• Leonardo Souto Ferreira (mestrando IFT-Unesp)
• Lorena G. Barberia (USP)
• Lucas P. de Medeiros (doutorando MIT)
• Luiz Celso Gomes Jr. (professor UTFPR)
• Marcelo Eduardo Borges (biólogo)
• Marcelo F. C. Gomes (pesquisador PROCC/Fiocruz)
• Marcelo Gasparian Gosling (desenvolvedor de software)
• Marcelo Tomé Kubo (doutorando IB-USP)
• Marcia Caldas de Castro (professora Harvard T.H. Chan SPH)
• Marco Antonio Silva Pinheiro (doutorando IFT-Unesp)
• Maria Amélia de Sousa Mascena Veras (professora FCMSCSP)
• Maria Rita Donalisio Cordeiro (médica epidemiologista FCM-Unicamp)
• Marina C. Côrtes (professora IB-Unesp)
• Marina Costa Rillo (pós doc Uni Oldenburg, Alemanha)
• Marilia P. Gaiarsa (pesquisadora University of California)
• Mathias M. Pires (professor IB – Unicamp)
• Mauricio N. Cantor Magnani (professor UFSC)
• Monica de Bolle (senior fellow PIIE)
• Natália de Paula Moreira (USP)
• Oswaldo G. Cruz (pesquisador PROCC/Fiocruz)
• Pamela C. Santana (doutoranda IB-USP)
• Paula Lemos-Costa (pós doc University of Chicago)
• Paulo Guimarães Jr. (Miúdo) (professor IB-USP)
• Paulo Inácio Prado (professor IB-USP)
• Priscila Tintino de Carvalho (professora do ensino básico, editora de materiais didáticos, revisora de texto)
• Rafael Badain (bacharelando CCM-USP)
• Rafael Cruz (pós doc e autor de materiais didáticos IBT)
• Rafael Lopes Paixão da Silva (doutorando IFT-Unesp)
• Rafael Luís G. Raimundo (professor DEMA – UFPB)
• Raphael Parmigiani (biólogo molecular)
• Renato Andrade (doutorando University of Glasgow)
• Renato Mendes Coutinho (professor CMCC-UFABC)
• Roberto Kraenkel (professor IFT-Unesp)
• Rodrigo Corder (doutorando ICB-USP)
• Sara R. Mortara (pós doc JBRJ – INMA)
• Silas Poloni Lyra (doutorando IFT-Unesp)
• Tatiana P. Portella Zenker (doutoranda Ecologia – USP)
• Tatiane C Moraes de Sousa (ENSP/Fiocruz)
• Thomas Nogueira Vilches (pós-doc IMECC Unicamp)
• Verônica Porto Carreiro de Vasconcellos Coelho (Laboratório de Imunologia – InCor – FMUSP)
• Vitor Mori (pós-doc Universidade de Vermont)
• Vítor Sudbrack (mestrando IFT-Unesp)
• Viviana Márquez Velásquez (doutoranda UFPB)
• Viviane Carnier Casaroli (Instituto de Tecnologia de Tóquio)
• Wendell Pereira Barreto
• Wesley F. Dáttilo da Cruz (professor A.C.México)

 

.
.

Leia mais a seguir