Humanidades

As coisas boas vão em pacotes antigos
Projeto para fazer registros digitais visuais completos de três caixaµes de 3.000 anos mostra uma pintura de uma divindade
Por Manisha Aggarwal-Schifellite - 18/02/2020


Dennis Piechota (da esquerda), Adam Middleton e Joe Greene trabalham
no caixa£o de Ankh-Khonsu com uma equipe no Museu Semitic.
Fotos de Kris Snibbe / Fota³grafo da equipe de Harvard

Traªs homens, um em cada extremidade e um no meio, levantaram lenta e cautelosamente a tampa de madeira, como se estivessem manuseando uma casca de ovo gigante. Silenciosamente, oferecendo-se relatórios de direção e status, eles deram alguns passos e colocaram a tampa no topo de uma estrutura de suporte do Ethafoam para segurança.

Então eles olharam para o caixa£o de 3.000 anos e o que agora era visível la¡ dentro: uma imagem do antigo deus do sol ega­pcio Ra-Horakhty, parcialmente obscurecido por uma espessa camada de alcatra£o.

"Foi um momento de parar o coração", disse Peter Der Manuelian, professor de egiptologia de Barbara Bell e diretor do Museu Sema­tico de Harvard, sobre a descoberta que sua equipe fez no maªs passado depois de abrir o caixa£o de Ankh-khonsu, um porteiro no templo de Amon-Ra.

A descoberta foi o destaque de um projeto de pesquisa de uma semana liderado por Manuelian e financiado por uma doação do Fundo Competitivo do Reitor para Bolsas Promissoras. O objetivo era criar um registro visual digital completo do caixa£o de Ankh-khonsu, juntamente com outros dois, que podem ser compartilhados com estudantes, pesquisadores, visitantes do museu e outros entusiastas. Tambanãm faz parte de um esfora§o do museu para encontrar maneiras de permitir maior acesso a  sua coleção de antiguidades.

O corpo de Ankh-khonsu havia sido removido hámais de 100 anos, quando o caixa£o foi trazido do Egito para Cambridge, e o contaªiner foi reaberto cerca de 30 anos atrás. Mas, por razões desconhecidas, "não havia documentação moderna do interior do caixa£o, por isso não ta­nhamos ideia do que esperar, madeira simples ou uma divindade requintadamente pintada nos encarando", disse Manuelian. "Acabou sendo o último, escondendo-se um pouco sob uma camada de material resinoso usado no processo faºnebre". Os outros dois caixaµes, cujos ex-habitantes eram a cantora do templo Mut-iy-iy e uma sacerdotisa e gravadora de metal chamada Pa-di-mut, tinham registros mais completos.

Apesar da textura irregular da área e do revestimento escuro, Manuelian e seus colegas puderam ver a pintura amarela, laranja e azul e os hiera³glifos que diziam “Ra-Horakhty, o grande Deus, Senhor do Canãu” ao lado da figura.

Como parte do projeto, Manuelian reuniu um “elenco de estrelas” de conservadores, um fota³grafo profissional e especialistas em amostragem de pigmentos e análise de resíduos e madeira para coletar informações e capturar imagens dos adornos e materiais do caixa£o. Os colegas vieram de lugares tão distantes quanto a University College London e da mesma rua dos Museus de Arte de Harvard.



O antigo deus do sol ega­pcio Ra-Horakhty mal évisível
dentro do caixa£o de Ankh-Khonsu.

Ao longo de seu trabalho, uma daºzia de pessoas se reuniu para documentar e analisar cada centa­metro dos artefatos. Todos os três caixaµes datam da Dinastia 22 (945 a 712 aC) e chegaram ao museu da atual Tebas, Egito, entre 1901 e 1902. Os caixaµes de Mut-iy-iy e Ankh-khonsu são feitos de madeira, provavelmente sica´moro , enquanto o de Pa-di-mut éuma caixa de cartonagem feita de linho e gesso que já foi alojada dentro de uma caixa de madeira. Os caixaµes fechados são exibidos no segundo andar do Museu Sema­tico.

Além dos esforços de conservação, o curador assistente das coleções Adam Aja e os alunos do curso co-lecionado da Harvard Extension School “Museum Collections Care” estavam a  disposição para escanear em 3D as pea§as, enquanto Manuelian produzia a fotogrametria baseada em ca¢mera dos caixaµes: superior, inferior, interior e exterior. O grupo trabalhou com o pesquisador Mohammed Abdelaziz, da Universidade de Indiana-Bloomington, em um " primeiro rascunho " animado e rotativo dos três caixaµes.

"O trabalho foi programado para coincidir com este curso de janeiro, e foi a oportunidade perfeita para envolver os alunos em um de nossos complexos projetos de coleções multifa¡sicas", disse Aja. "Além de testemunhar todas as etapas de preparação e estudo, eles estavam ativamente envolvidos na captura e produção do conteaºdo digital."

Os conservadores consultores Dennis e Jane Piechota, que trabalham regularmente com o Museu Semitic e o Museu Peabody de Arqueologia e Etnologia, garantiram que os caixaµes fossem removidos de suas vitrines com segurança, transportados para a sala de pesquisa e dispostos adequadamente para fotografia e digitalização.

"a‰ uma honra trabalhar com esses artefatos de perto, e incomum poder tocar em algo tão antigo e com tanta história", disse Jane Piechota.

A abertura dos topos, fechada por décadas, foi um primeiro obsta¡culo considera¡vel. Os Piechotas examinaram os pontos de contato entre a tampa e o caixa£o em busca de sinais de pressão e fusão entre as pea§as, inserindo fatias finas de madeira ao redor da tampa para iniciar o processo de separação e elevação.

Girar os caixaµes para fotografa¡-los e digitaliza¡-los exigia mais destreza e cuidado, devido a  idade e delicadeza dos artefatos.

“Virar os caixaµes épetrificante! Eles são pesados ​​e, se não os manusearmos com cuidado, podem ser facilmente danificados ”, disse Dennis Piechota. “Quando a tampa se abriu, examinamos a construção das laterais e do fundo de cada caixa£o. Inspecionamos as juntas que mantem as pea§as de madeira juntas, para garantir que elas permanea§am juntas quando as viramos. ”

"a‰ uma honra trabalhar com esses artefatos de perto e incomum poder tocar em algo tão antigo e com tanta história."

- Jane Piechota, conservadora consultora

Os pesquisadores coletaram amostras de tecido, tinta e resina e estudaram os textos e a iconografia que cobrem as caixas de madeira e a caixa antiga de cartonagem de gesso, incluindo a gosma preta de resina que cobre as pinturas.

Ao mesmo tempo, Eden Piacitelli e Lauren Wyman, candidatos a mestrado em estudos de museus na Harvard Extension School, usaram um scanner sem fio 3D para capturar todos os detalhes dos caixaµes, depois usaram o software para criar modelos digitais rotativos.

“Isso tudo foi muito novo para mim, com novas tecnologias. Nunca estive tão perto de uma antiguidade antes ”, disse Piacitelli. “Fazer parte da equipe que fez a digitalização foi mais emocionante, porque éum processo de aprendizado para todos. Trabalhar com esses especialistas em [diferentes] campos tem sido muito intimidador, mas eles foram muito generosos com seu tempo e conhecimento. ”

O projeto marcou o último passo na jornada do museu para tornar mais de suas antiguidades acessa­veis a um paºblico mais amplo (os processos anteriores de modelagem digital inclua­ram um aplicativo de realidade aumentada para acompanhar uma exposição da Dream Stela ). A manuelina também dirige o Projeto Gizé, uma iniciativa que reaºne toda a arqueologia em torno das pira¢mides de Gizanã, incluindo um componente de realidade virtual.

"Atécinco anos atrás, não ta­nhamos esses avanços tecnola³gicos", disse Joseph Greene, vice-diretor e curador do museu. "Então, quera­amos fazer todo o possí­vel para estudar e registrar informações sobre esses artefatos para a próxima geração de pesquisadores".