Humanidades

Desvendando um mistério das artes pla¡sticas
Conservadores e curadores estãopesquisando e restaurando um retrato do rei Filipe III da Espanha, que éum de uma sanãrie de obras idaªnticas
Por Harvard/MaisConhecer - 20/02/2020

hame de uma unidade de retratos do século XVII.

Tudo começou em 2018 quase por acaso, quando um curador espiou o trabalho na área de armazenamento dos Museus de Arte de Harvard e deu uma olhada mais de perto.

A pintura de aproximadamente 1,80 metro de altura era do rei Filipe III da Espanha , que governou de 1598 a 1621. Os especialistas a reconheceram como o tipo de pea§a que seria enviada a  familia que reinava no exterior e distribua­da para fama­lias imperiais estrangeiras em toda a Europa. O envio de retratos luxuosos da realeza, jovens e idosos para lugares distantes, era rotineiro na anãpoca, permitindo que parentes separados por milhares de quila´metros se vigiassem e sinalizando para outros governantes sedentos de poder e membros distantes do reino espanhol que monarca em particular ainda estava vivo e bem.

"Essa era uma prática comum, especialmente para tribunais como o da Espanha, que tinha um grande alcance internacional", disse Cassandra Albinson, Margaret S. Winthrop, curadora de arte europanãia dos museus, que observou que o tamanho de tais obras tinha um significado especial. . "Uma idanãia por trás dessas pinturas reais da Renascena§a éque ver o corpo do rei era estar na presença física do rei, por isso era importante que essas imagens fossem em tamanho natural, mostrando todo o corpo da cabea§a aos panãs."

O curador restaura uma pintura grande.
Desde 2018, Cristina Morilla e uma equipe de curadores e
conservadores dos Museus de Arte de Harvard estãorestaurando
e pesquisando uma pintura do rei Filipe III da Espanha.

Nos meses desde que o retrato foi encontrado, conservadores e curadores dos Museus de Arte de Harvard tem restaurado e pesquisado o retrato para atribuir com mais firmeza a pea§a não assinada ao grande pintor real espanhol Juan Pantoja de la Cruz. Foi doado a Harvard em 1922 pelo ex-professor de arte Denman Waldo Ross, 1875, Ph.D. 1881

Atéo momento, a investigação da equipe de Harvard envolveu uma análise técnica da moldura, filtro, hardware, tela e pigmentos originais da pintura; imagem de raios X e reflectografia por infravermelhos; uma viagem a  Espanha para investigar e comparar a pea§a de Harvard com obras semelhantes no Museu do Prado, El Escorial e em uma fundação particular; bem como uma visita ao arsenal real espanhol para examinar o que se pensa ser o traje de armadura usado pelo rei na pintura.

Albinson, que estãopesquisando a pintura com a ajuda do curador da coleção e dos bolsistas do passado e do presente, acha que o retrato pode ter sido enviado para a Ita¡lia, onde poderia estar pendurado em um espaço paºblico ou real de destaque. A Espanha do século XVII dominava um impanãrio europeu em expansão, que inclua­a territa³rios na Holanda e na Ita¡lia. Incapaz de estar em todos os lugares ao mesmo tempo, o monarca usou a arte para estabelecer sua presença pessoal nesses postos avana§ados do poder espanhol. "Esses retratos eram uma maneira de fazer uma conexão dina¡stica e marcar um importante espaço pola­tico com o selo da coroa espanhola", disse Albinson.

"Determinamos que Harvard tem a pea§a perdida de um conjunto de retratos pintados por Pantoja em 1605 e, em termos de qualidade e conservação, éo melhor da sanãrie".

- Cristina Morilla

Com seus esforços, a equipe de Harvard, com a ajuda de um especialista em arte da Espanha, determinou que a pea§a éde 1605 e um de uma sanãrie de quatro retratos idaªnticos do governante espanhol. Suas descobertas, disse a conservadora Cristina Morilla, sugerem que as obras foram criadas de uma são vez.

"Determinamos que Harvard tem a pea§a perdida de um conjunto de retratos pintados por Pantoja em 1605 e, em termos de qualidade e conservação, éo melhor da sanãrie", disse Morilla, natural de Espanha. "Nossa pesquisa também desafia as idanãias atuais de original e ca³pia, mostrando que todas as quatro pinturas foram produzidas simultaneamente para fins diploma¡ticos, trazendo a imagem exata do rei atravanãs de seu impanãrio transatla¢ntico".

Para ajudar a testar sua teoria, Morilla empregou uma prática semelhante a  usada por Pantoja e pelos trabalhadores em seu estaºdio. Para garantir que as pinturas fossem idaªnticas, os artistas do século XVII trazriam a imagem de uma obra em um pedaço de tela coberto de gesso, uma substância em pa³ que deixava um contorno no novo tecido. Com um guia para as pinceladas, os artistas poderiam preencher a imagem e o plano de fundo do novo trabalho com tinta. (Um exame de uma minaºscula lasca de tinta do retrato de Harvard sob um microsca³pio de alta potaªncia revelou pequenas quantidades de gesso, sugerindo que o trabalho havia sido rastreado hámais de 400 anos.)

Enrolando ca³pias de pinturas.
Cristina Morilla reaºne algumas das ca³pias que fez dos outros retratos do
rei Filipe enquanto fazia pesquisas na Espanha.

Antes de viajar para a Espanha com sua colega Narayan Khandekar, diretora do Centro Straus de Conservação e Estudos Tanãcnicos, Morilla traa§ou a imagem do rei em um pedaço de mylar transparente. Em Madri, ela cuidadosamente desenhou seu desenho na pintura do rei no Prado e depois nas outras duas obras. Eles eram uma combinação perfeita. Uma comparação da obra nas pinturas de Harvard e Prado ofereceu mais uma prova de que as obras foram criadas juntas.

O que descobrimos quando examinamos os raios X do trabalho no Prado foi que as pinceladas na figura eram quase idaªnticas entre a nossa versão e a deles ”, disse Khandekar. “Esse manuseio de tinta, que éa parte mais importante de qualquer retrato, realmente nos diz que háuma forte conexão entre o retrato que estãona coleção real e o nosso e que eles são feitos pela mesma ma£o.”

O reinado de Filipe, que morreu aos 42 anos, incluiu uma importante tranãgua com a Inglaterra, que encerrou a guerra anglo-espanhola de 19 anos. A pose do rei no retrato de Harvard lembra esse danãtente. "Nãohárazãopara ele apontar mais para o campo de batalha, como já havia sido descrito em obras anteriores", disse Morilla, que observou que a pintura de Harvard foi conclua­da pouco depois da assinatura do Tratado de Londres em 1604, que restaurou o status quo. “Em vez disso, ele descansa a ma£o na espada, dizendo: 'Aqui estou eu. Assinei este tratado, mas tenha cuidado. '”

Além de seu trabalho de detetive, Morilla estabilizou a tinta no retrato, aplicando uma fina camada de cola que se infiltrava atravanãs das rachaduras finas em suasuperfÍcie e se assentava na tela abaixo. Ela também limpou partes do trabalho e retocou delicadamente qualquer tinta lascada ou lascada. Suas pinceladas de restauração não se destacam a olho nu, ela disse, mas um especialista treinado não tera¡ problemas para identifica¡-las. "Queremos ter certeza de que os futuros conservadores sera£o capazes de ver o que foi feito como uma intervenção", disse Morilla.

Morilla comparou o trabalho na pintura a ganhar o praªmio de belas artes. "O que mais vocêpode pedir", disse ela, lembrando como estudou o reinado do rei Filipe III na escola. "Agora, tenho que conservar uma parte da minha história."

Khandekar considera o trabalho uma pintura significativa.

"a‰ incra­vel que algo assim possa viajar no tempo", disse ele. “Esta¡ aqui há100 anos. Ninguanãm realmente sabia o que era. Estava meio que perdido, e então o encontramos novamente. E não éapenas uma descoberta; éuma descoberta realmente importante.”