Humanidades

O envolvimento histórico da Universidade de Cambridge com Tobias Rustat
Rustat, um cortesão de Carlos II, obteve grande riqueza da Royal African Company, que era responsável por enviar mais africanos escravizados para as Américas do que qualquer outra instituição durante o período do comércio de escravos.
Por Cambridge - 03/11/2020


Cortesia

Durante a pesquisa sobre as ligações anteriores da universidade com o comércio de escravos do Atlântico, foi estabelecido que um proeminente benfeitor do Jesus College e da Biblioteca da Universidade de Cambridge, Tobias Rustat, foi um grande investidor em uma empresa de comércio de escravos do século 17.

Rustat, um cortesão de Carlos II, obteve grande riqueza da Royal African Company, que era responsável por enviar mais africanos escravizados para as Américas do que qualquer outra instituição durante o período do comércio de escravos.

Em 1667, Rustat deu à Biblioteca da Universidade sua primeira doação, £ 1000, para ser gasta em livros de sua escolha. Rustat foi muito mais tarde homenageado por uma pequena estátua de pedra do final do século 19 com vista para West Court nas Old Schools, o local original da Biblioteca.

O Grupo Consultivo da Universidade sobre os Legados da Escravidão foi convidado pelo Vice-Reitor Professor Stephen J Toope para fazer recomendações sobre o futuro da estátua de Rustat. Paralelamente, a Biblioteca da Universidade cedeu ao fundo a doação Rustat, que gera uma receita de cerca de £ 5.000 por ano.

Nenhuma decisão foi tomada em relação à estátua, mas investigações preliminares estão sendo feitas sobre o processo de remoção da estátua do exterior de um edifício listado como Grau 1.

A Biblioteca está atualmente determinando como a receita deste Fundo Rustat pode ser remodelada (e renomeada) a fim de apoiar a pesquisa ativa sobre o comércio de escravos e seus legados. Para o exercício financeiro de 2020-21, a receita do Fundo será gasta em recursos sobre o tráfico transatlântico de escravos e sobre a diáspora negra. Possíveis compras serão identificadas de forma colaborativa pela equipe da biblioteca e pesquisadores e as decisões finais serão tomadas pelo Grupo de Trabalho de Descolonização da Biblioteca.

A Dra. Jessica Gardner, bibliotecária da Universidade de Cambridge, disse: “A devastação causada pelo comércio de escravos no Atlântico continua a afetar milhões de pessoas em todo o mundo até hoje. Não podemos efetivamente demonstrar solidariedade com nossos colegas e alunos negros em Cambridge - e com outros ao redor do mundo - sem primeiro examinar e compreender como nós, como instituição, nos beneficiamos com os rendimentos da escravidão.

“Além de pedir ao Inquérito para examinar a beneficência do Rustat, também queremos determinar, com a ajuda crítica de nossos colegas da comunidade BAME em Cambridge, como a renda gerada por esta doação histórica será melhor distribuída daqui para frente.”

Jesus College também anunciou que decidiu fazer mudanças onde quer que o Rustat seja explicitamente celebrado no College, seguindo recomendações do Legacy of Slavery Working Party do próprio College.

Um relatório inicial do Grupo Consultivo da Universidade sobre Legados da Escravidão foi publicado em maio. Um relatório final deve ser entregue no semestre da Páscoa de 2022.

 

.
.

Leia mais a seguir