Humanidades

Arqueólogos egípcios descobrem 110 tumbas antigas no Delta do Nilo
Arqueólogos egípcios desenterraram 110 túmulos em um antigo local na província do Delta do Nilo, disse o Ministério do Turismo e Antiguidades na terça-feira.
Por Phys.org - 27/04/2021


Esta foto fornecida pelo Ministério do Turismo e Antiguidades do Egito na terça-feira, 27 de abril de 2021, mostra túmulos antigos desenterrados recentemente, alguns com restos humanos, no sítio arqueológico Koum el-Khulgan, na província de Dakahlia, no Delta do Nilo, a cerca de 150 quilômetros (93 milhas) a nordeste do Cairo, Egito. Os arqueólogos desenterraram 110 túmulos no antigo local em uma província do Delta do Nilo, disse o Ministério do Turismo e Antiguidades na terça-feira. (Ministério do Turismo e Antiguidades Egípcio via AP)

Arqueólogos egípcios desenterraram 110 túmulos em um antigo local na província do Delta do Nilo, disse o Ministério do Turismo e Antiguidades na terça-feira.

Os túmulos, alguns dos quais com restos humanos dentro, foram encontrados no sítio arqueológico Koum el-Khulgan na província de Dakahlia, cerca de 150 quilômetros (93 milhas) a nordeste do Cairo, disse o ministério.

Eles incluem 68 tumbas em formato oval que datam do período pré-dinástico que durou de 6.000 a 3150 aC, disse o ministério.

Há também 37 tumbas retangulares de uma era antiga conhecida como Segundo Período Intermediário (1782-1570 aC), quando o povo semita de Hyksos governava o Egito antigo, acrescentou o ministério.

Os cinco túmulos ovais restantes datam do período Naqada III, que durou de cerca de 3.200 a 3.000 a.C.

Os arqueólogos também encontraram restos humanos de adultos e crianças e equipamentos funerários e objetos de cerâmica nessas tumbas, disse o ministério.

A descoberta é a mais recente de uma série de descobertas arqueológicas nos últimos anos, para as quais o Egito buscou publicidade na esperança de reviver seu setor de turismo. O turismo foi gravemente afetado pela turbulência que se seguiu ao levante de 2011 e agora a pandemia do coronavírus.

 

.
.

Leia mais a seguir