Humanidades

Ossos de peixes antigos revelam dieta não-kosher dos antigos judeus, dizem os pesquisadores
Essa descoberta lança uma nova luz sobre a origem das leis dietéticas do Antigo Testamento que ainda são observadas por muitos judeus hoje.
Por Taylor e Francis - 25/05/2021


Pixabay 

Os judeus antigos costumavam comer peixes não-kosher na época em que esse alimento era proibido na Bíblia, sugere um estudo publicado na revista especializada Tel Aviv .

Essa descoberta lança uma nova luz sobre a origem das leis dietéticas do Antigo Testamento que ainda são observadas por muitos judeus hoje. Entre essas regras está a proibição de comer qualquer espécie de peixe que não tenha escamas ou barbatanas.

O estudo relata uma análise de ossos de peixes antigos de 30 sítios arqueológicos em Israel e Sinai, que datam de mais de 2.000 anos desde a Idade do Bronze Final (1550-1130 aC) até o final do período bizantino (640 CE).

Os autores dizem que os resultados pedem um repensar das suposições de que as tradições de longa data foram a base para as leis alimentares delineadas no Pentateuco, os primeiros cinco livros da Bíblia Hebraica.

"A proibição de peixes sem barbatanas e sem escamas desviou-se dos hábitos alimentares de longa data da Judéia ", diz Yonatan Adler, da Universidade Ariel.

"Os escritores bíblicos parecem ter proibido este alimento, apesar do fato de que peixes não-kosher eram frequentemente encontrados no cardápio da Judéia. Há poucos motivos para pensar que um tabu alimentar antigo e difundido esteja na raiz dessa proibição".

O Antigo Testamento foi escrito em diferentes épocas, começando nos séculos antes da destruição de Jerusalém em 586 AEC e até os tempos helenísticos (332-63 AEC). Um conjunto de passagens repetidas duas vezes proíbe comer certas espécies de peixes.

O livro de Levítico afirma: "Tudo nas águas que não tem barbatanas e escamas é detestável para você", e Deuteronômio decreta que '... tudo o que não tem barbatanas e escamas não comerás; é impuro para você. '

Em ambos, as referências seguem imediatamente uma proibição de porco 'impuro' que tem recebido ampla atenção acadêmica. No entanto, as origens e a história inicial da proibição de frutos do mar não foram exploradas em detalhes até agora.

Os autores deste estudo decidiram descobrir quando e como a proibição dos peixes surgiu pela primeira vez, e se foi precedida por um tabu praticado antes da edição das passagens do Antigo Testamento. Eles também procuraram estabelecer até que ponto a regra era obedecida.

O coautor de Adler, Omri Lernau, da Universidade de Haifa, analisou milhares de restos de peixes de dezenas de locais no sul do Levante. Em muitos locais da Judéia que datam da Idade do Ferro (1130-586 aC), inclusive na capital da Judéia, Jerusalém, as assembleias de ossos incluíam proporções significativas de restos de peixes não kosher. Outra descoberta importante foi a evidência do consumo de peixes não kosher em Jerusalém durante a era persa (539-332 AEC).

Os ossos de peixes não kosher estavam ausentes em sua maioria nos assentamentos da Judéia que datam da era romana e posteriores. Os autores observam que os restos esporádicos de peixes não kosher dessa época posterior podem indicar "algum grau de não observância entre os judeus".

Os autores pretendem agora analisar mais peixes em torno deste período de tempo para estabelecer quando os judeus começaram a evitar comer peixes sem escama e quão estritamente a proibição foi mantida.

 

.
.

Leia mais a seguir