Humanidades

O olho da nossa mente combina com a vida real? Novo estudo mostra diferenças em como percebemos as imagens
Os resultados surgiram quando os pesquisadores mostraram a 58 adultos duas linhas em uma parede, ambas do mesmo comprimento, mas uma estava mais perto do participante e, portanto, parecia visualmente mais longa.
Por Amy King, - 02/09/2021



Duas linhas na parede - usadas para testar se os adultos pensam em 2D ou 3D. Crédito: University of Plymouth

Todos estamos acostumados a ver o mundo 3D em que vivemos reduzido a 2D, seja na arte, na fotografia ou no cinema.

Mas, ao fecharmos os olhos, como visualizamos as coisas que já vimos?

Um novo estudo liderado pelas Universidades de Plymouth e Essex investigou essa questão, descobrindo que muitos adultos resistem a imaginar sua própria visão como se fosse uma imagem plana - vendo-a em sua forma totalmente processada e carregada de conhecimento.

Os resultados surgiram quando os pesquisadores mostraram a 58 adultos duas linhas em uma parede, ambas do mesmo comprimento, mas uma estava mais perto do participante e, portanto, parecia visualmente mais longa.

Apesar da instrução para basear seus julgamentos especificamente na aparência (ou seja, a linha mais próxima deve ser mais longa), aproximadamente metade dos participantes julgou que as linhas pareciam iguais. Quando eles tiraram uma foto das falas e foram questionados por quanto tempo eles apareceram na imagem, suas respostas mudaram; agora a linha mais próxima parecia mais longa. No entanto, quando foram questionados novamente sobre sua própria visão, eles voltaram à resposta original.

Isso sugere que mesmo quando os participantes são explicitamente conscientes de como uma imagem 2D de sua visão pode parecer, eles tratam a entrada sensorial real de maneira diferente - com considerável resistência em ver o que é chamado de nossas "representações proximais" da visão (como as coisas aparecem diante de nossos cérebros tiveram a chance de corrigir coisas como tamanho relativo e distância).

O autor principal, Dr. Steven Samuel, professor de psicologia na Universidade de Plymouth, diz que "é complexo e emocionante descobrir como cada um de nós vê e visualiza coisas diferentes - e o fato de que metade de nossa população de estudo não pensava em 2D foi uma descoberta muito interessante. "

"A próxima pergunta a fazer é por que essas pessoas pensaram dessa forma? Será que não conseguiam pensar em 2D ou optaram por não fazê-lo? Não sabemos ao certo, mas uma explicação é que as pessoas são resistentes ao princípio de que a visão pode ser equiparada a uma imagem plana - sendo a visão 'corrigida' o único tipo de visão que eles poderiam razoavelmente conceber. "

"Isso implica que os adultos não gostam de entreter a visão como uma imagem próxima, mesmo quando o contexto é favorável a tal comportamento. No entanto, não significa que eles sejam necessariamente incapazes de fazê-lo."

A pesquisa foi publicada na PLOS ONE .

 

.
.

Leia mais a seguir