Mundo

Risco de onda de calor paira sobre as Olimpíadas de Paris
O calor escaldante do verão é difícil de imaginar agora no meio do inverno em Paris, mas em seis meses, quando os atletas de todo o mundo chegarem para as Olimpíadas, outra onda de calor intenso significaria problemas...
Por Julien Mivielle - 04/02/2024


Os atletas se esforçam ao máximo, como pode ser visto aqui nas Olimpíadas de Tóquio em 2020, que foram as mais quentes já registradas.

O calor escaldante do verão é difícil de imaginar agora no meio do inverno em Paris, mas em seis meses, quando os atletas de todo o mundo chegarem para as Olimpíadas, outra onda de calor intenso significaria problemas para os organizadores.

Um novo estudo que apresenta “ simulações climáticas para antecipar as piores ondas de calor durante os Jogos Olímpicos de Paris 2024” concentrou as mentes depois de alertar que a capital francesa enfrentava um risco não insignificante de altas temperaturas recordes.

A pesquisa, publicada em dezembro na revista Npj Climate and Atmospheric Science, analisou o risco de uma onda de calor de duas semanas que superaria o período de calor recorde de todos os tempos visto em Paris em 2003.

“Em 20 anos, o clima mudou e a ideia era alertar os decisores políticos de que algo ainda pior do que 2003 poderia acontecer, que é possível”, disse à AFP o principal autor do estudo, Pascal Yiou.

“No século XX não era possível ultrapassar este recorde, mas agora não podemos apenas igualá-lo, mas superá-lo com uma probabilidade que é, em última análise, bastante elevada, na casa de 1/100”, acrescentou.

Um estudo separado publicado na revista The Lancet Planet Health em Maio passado descobriu que Paris tinha as taxas de mortalidade relacionadas com o calor mais elevadas de 854 vilas e cidades europeias, em parte devido à falta de espaços verdes e à densidade populacional.

As estatísticas também foram fortemente distorcidas pelos acontecimentos de 2003, quando 15.000 pessoas morreram, a maioria delas idosos vulneráveis que viviam sozinhos, desencadeando um período de reflexão nacional.

Teste de estresse

Nos últimos cinco anos, Paris testemunhou uma série de verões escaldantes que viram os recordes de calor desmoronarem.

Um novo pico histórico de temperatura foi estabelecido em julho de 2019, quando o serviço meteorológico Meteo-France registrou 42,6 graus Celsius (108,7 graus Fahrenheit) na capital.

Os organizadores afirmam ter planos de contingência no
caso de outra onda de calor.

Os organizadores das Olimpíadas de Paris de 2024, que acontecerão de 26 de julho a 11 de agosto, e das Paraolimpíadas, que começam no final de agosto, dizem estar “plenamente conscientes” dos riscos relacionados ao clima para os Jogos.

“Ondas de calor e eventos climáticos extremos são fatores que levamos em consideração e para os quais estamos nos preparando tanto quanto possível, a fim de tomar as medidas necessárias”, disse um porta-voz à AFP.

As equipes operacionais realizaram simulações analisando as consequências de mudar alguns eventos ao ar livre para horários de início mais cedo ou mais tarde, para evitar o calor do meio-dia.

As provas de atletismo, nomeadamente a maratona, bem como o ténis ou o voleibol de praia, são consideradas vulneráveis aos efeitos do sol intenso e das altas temperaturas.

Atletas jovens e em boa forma também podem ser mais resistentes do que os espectadores, que provavelmente enfrentarão filas para entrar nos locais e, potencialmente, horas sem sombra em estádios ao ar livre.

O chefe da agência francesa responsável pela construção das instalações olímpicas, Nicolas Ferrand, garantiu numa audiência no Senado que todas as instalações interiores foram construídas tendo em mente o aquecimento global.

“Verificamos se todos os nossos edifícios seriam confortáveis no verão de 2050”, disse ele no mês passado, acrescentando que o escritório meteorológico nacional e a empresa de consultoria de TI Dassault Systemes ajudaram na modelagem.

Problema de ar condicionado

Outra área de constante preocupação é a vila dos atletas no norte de Paris, que foi construída sem ar condicionado como parte dos esforços para estabelecer novos padrões ambientais para os Jogos de Paris.

Em vez disso, os blocos de torres à beira do rio possuem sistemas de resfriamento geotérmico natural, bem como guarda-sóis, áreas plantadas e ventilação eólica.

Eles garantem uma temperatura interna pelo menos 6,0 graus Celsius mais baixa do que a externa – algo considerado insuficiente por alguns países participantes.

“O ar condicionado na aldeia tem sido um problema”, disse à AFP um diplomata europeu envolvido na coordenação das Olimpíadas, sob condição de anonimato.

Como compromisso, os organizadores franceses oferecem-se agora para fornecer aparelhos de ar condicionado portáteis às delegações visitantes, às suas custas.

Tórrida Tóquio

Os últimos Jogos Olímpicos de Verão em Tóquio são considerados os mais quentes já registados, com temperaturas regularmente acima dos 30 graus Celsius, juntamente com 80% de humidade.

Os organizadores de Tóquio transferiram os eventos de marcha atlética e duas maratonas para 800 quilômetros (500 milhas) ao norte de Tóquio, na esperança de um clima mais frio, que realmente não se materializou.

Apesar de uma série de medidas anti-calor, incluindo estações de nebulização, muitos atletas lutaram contra o calor, incluindo o tenista russo Daniil Medvedev, que se perguntou em voz alta na quadra se poderia morrer.

Muitos atletas estão a adaptar-se às alterações climáticas, realizando mais treinos em climas quentes, seja em acampamentos no estrangeiro ou em bolhas especialmente concebidas que podem aumentar artificialmente o calor e a humidade.

Falando depois de Tóquio, o presidente da World Athletics, Sebastian Coe, alertou que a “nova norma” era competir em “condições climáticas realmente adversas”.


Mais informações: Pascal Yiou et al, Conjuntos de simulações climáticas para antecipar as piores ondas de calor durante as Olimpíadas de Paris 2024, npj Climate and Atmospheric Science (2023). DOI: 10.1038/s41612-023-00500-5

Pierre Masselot et al, Excesso de mortalidade atribuído ao calor e ao frio: um estudo de avaliação do impacto na saúde em 854 cidades na Europa, The Lancet Planetary Health (2023). DOI: 10.1016/S2542-5196(23)00023-2

Informações do jornal: npj Climate and Atmospheric Science , The Lancet Planetary Health  

 

.
.

Leia mais a seguir