Mundo

Peixe mexicano extinto na natureza reintroduzido com sucesso
Cientistas e residentes, no entanto, conseguiram o retorno de uma espécie extinta na natureza - mas conservada em cativeiro - ao seu habitat nativo.
Por María Verza - 02/01/2022


Nesta foto sem data fornecida pelo The Chester Zoo mostra dois peixes "tequila splitfin" em um aquário no Chester Zoo em Chester, Inglaterra. Esse peixe que nadava nas águas alimentadas por nascentes do centro-oeste do México desapareceu no final do século 20, mas cientistas e residentes locais conseguiram o impensável: o retorno de uma espécie extinta na natureza, mas conservada em cativeiro, ao seu habitat nativo. Crédito: The Chester Zoo via AP

Era uma vez um pequeno peixe chamado "tequila splitfin" ou "zoogoneticus tequila" que nadava em um rio no oeste do México, mas desapareceu na década de 1990. Cientistas e residentes, no entanto, conseguiram o retorno de uma espécie extinta na natureza - mas conservada em cativeiro - ao seu habitat nativo.

Seu sucesso agora está entrelaçado com a identidade da comunidade e sendo promovido internacionalmente.

Tudo começou há mais de duas décadas em Teuchitlán, uma cidade perto do vulcão Tequila. Meia dúzia de alunos, entre eles Omar Domínguez, começou a se preocupar com os peixinhos que cabiam na palma de uma mão e só haviam sido vistos no rio Teuchitlán. Ele havia desaparecido das águas locais, aparentemente devido à poluição, às atividades humanas e à introdução de espécies não nativas.

Domínguez, hoje pesquisador de 47 anos da Universidade de Michoacán, diz que na época só os mais velhos se lembravam do peixe chamado "gallito" ou "galo pequeno" por causa de sua cauda laranja.

Em 1998, conservacionistas do Zoológico de Chester, na Inglaterra, e de outras instituições europeias, chegaram para ajudar a montar um laboratório para a conservação de peixes mexicanos. Eles trouxeram vários pares de peixes splitfin tequila de aquários de coletores, disse Domínguez.

Os peixes começaram a se reproduzir em aquários e dentro de alguns anos Domínguez e seus colegas apostaram na reintrodução deles no rio Teuchitlán. "Eles nos disseram que era impossível, (que) quando os devolvêssemos, eles iriam morrer."

Então, eles procuraram opções. Eles construíram um lago artificial para uma etapa de semicegulador e em 2012 colocaram 40 pares nele.

Dois anos depois, havia cerca de 10.000 peixes. O resultado garantiu financiamento, não só do Zoológico de Chester, mas também de uma dezena de organizações da Europa, Estados Unidos e Emirados Árabes Unidos, para levar o experimento até o rio.

Lá eles estudaram parasitas, microrganismos na água, a interação com predadores, competição com outros peixes e, em seguida, introduziram os peixes em gaiolas flutuantes.

O objetivo era restabelecer o equilíbrio frágil. Para essa parte, a chave não eram tanto os cientistas, mas os residentes locais.

“Quando comecei o programa de educação ambiental, pensei que eles iriam fazer ouvidos moucos para nós ... e no início isso aconteceu”, disse Domínguez.

Mas os conservacionistas tiveram sucesso com paciência e anos de shows de fantoches, jogos e explicações sobre o valor ecológico e para a saúde da "tequila zoogoneticus" - os peixes ajudam a controlar os mosquitos que espalham a dengue.
 
Alguns moradores inventaram um apelido para o peixinho: "Zoogia". Eles fizeram caricaturas e formaram os "Guardiões do Rio", um grupo principalmente de crianças. Eles coletam lixo, limpam o rio e removem plantas invasoras.

Domínguez disse que é difícil dizer se a qualidade da água é melhor porque não há dados anteriores para comparar, mas todo o ecossistema melhorou. O rio está mais limpo, há menos espécies não nativas e o gado não pode mais beber em algumas áreas.

Os peixes se multiplicaram rapidamente dentro de suas gaiolas flutuantes. Em seguida, eles foram marcados para que pudessem ser seguidos e libertados. Era final de 2017 e em seis meses a população aumentou 55%. No mês passado, os peixes haviam se expandido para outra parte do rio.

A reintrodução na natureza de espécies que foram extintas na natureza é complexa e demorada. O cavalo de Przewalski e o órix árabe estão entre os exemplos de sucesso. O Chester Zoo disse em 29 de dezembro que a tequila splitfin se juntou a esse pequeno grupo.

"O projeto foi citado como um estudo de caso da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) para reintroduções globais bem-sucedidas - com estudos científicos recentes confirmando que os peixes estão prosperando e já se reproduzindo no rio", disse o zoológico em um comunicado.

“Este é um momento importante na batalha pela conservação das espécies”, disse Gerardo García, curador do zoológico de vertebrados inferiores e invertebrados.

A lista vermelha de espécies ameaçadas da IUCN relaciona a tequila splitfin como ameaçada de extinção. Os ecossistemas de água doce do México estão sob pressão da poluição, extração excessiva de recursos hídricos e outros fatores. Mais de um terço das 536 espécies de peixes de água doce avaliadas no país estão ameaçadas de extinção, de acordo com um relatório de 2020 liderado pela IUCN e pelo BioPark ABQ nos Estados Unidos.

Ainda assim, no México, Domínguez e sua equipe já começam a trabalhar em outro peixe considerado extinto na natureza: a "skiffia francesae". O Golden Skiffia poderia algum dia se juntar a "Zoogy" no rio Teuchitlán.

 

.
.

Leia mais a seguir