Opinião

Por que os homens podem ter uma resposta pior ao COVID-19
Nestes estudos, os homens ficaram doentes por mais tempo, com sintomas mais graves e com uma resposta mais fraca à vacinação.
Por Meghan E. Rebuli - 13/10/2020


O COVID-19 está batendo mais nos homens do que nas mulheres? UpperCut Images / Getty Images

Se você perguntar à maioria das mulheres sobre como seus parentes, parceiros e amigos do sexo masculino reagem ao fato de estarem doentes, elas geralmente dirão revirando os olhos: "Ele é um bebê". "Ele é extra chorão." Ou “ele exagera muito”. Mas pode haver uma explicação biológica para esse comportamento.

Chamado de “gripe do homem”, esse fenômeno foi validado em uma revisão de grandes estudos epidemiológicos publicados anteriormente, bem como em estudos de influenza em animais. Nestes estudos, os homens ficaram doentes por mais tempo, com sintomas mais graves e com uma resposta mais fraca à vacinação. Os testes de laboratório com animais infectados com o vírus da gripe também ressaltam que existem diferenças baseadas no sexo na resposta imunológica que influenciam os resultados observados em humanos. Mas esses sintomas e resultados mais graves são exclusivos do resfriado e da gripe?

Como toxicologista respiratório e pesquisador que investiga as diferenças sexuais no sistema respiratório, fiquei intrigado ao ler um estudo recente sobre respostas específicas do sexo ao COVID-19 que sugere que os homens são, na verdade, mais vulneráveis ​​e sofrem mais com essa doença.

Diferenças de sexo em COVID-19

Esses achados podem se aplicar a outros vírus respiratórios como o SARS-CoV-2, que causa o COVID-19. Por exemplo, relatos de taxas de infecção por SARS-CoV-2 são semelhantes entre homens e mulheres , mas o sexo masculino é um fator de risco significativo para doença COVID-19 mais séria e morte. Na verdade, um estudo revelou que os homens têm 2,4 vezes mais probabilidade de morrer de COVID-19 . Acho interessante que taxas mais altas de mortalidade em homens também ocorreram em outras doenças coronavírus, como síndrome respiratória aguda grave , causada por SARS-CoV, e síndrome respiratória do Oriente Médio .

Com base nos dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças de 5 de outubro de 2020, o risco de morte por COVID-19 em homens de 30 a 49 anos também foi mais que o dobro do das mulheres .

Em outras faixas etárias, o risco de morte relacionada a COVID-19 em homens também foi maior do que na mesma coorte feminina. Mas não era tão alto quanto na faixa etária de 30 a 49 anos.

Isso contrasta com taxas quase iguais de infecção por SARS-CoV-2 nas mesmas faixas etárias, levando os cientistas a se perguntar por que os homens podem ser mais suscetíveis.

Estudo identifica porque os homens podem ser mais suscetíveis a COVID-19

O recente relatório publicado na Nature explora como homens e mulheres respondem de maneira diferente ao COVID-19.

Este estudo examinou amostras incluindo esfregaços nasais, saliva e sangue, que foram coletados de indivíduos saudáveis ​​ou de pacientes com COVID-19. Essas amostras foram usadas para entender melhor como é a resposta imunológica à infecção e como ela difere em pessoas com doenças mais graves.

Semelhante aos dados do CDC sobre as taxas de infecção, nenhuma diferença de sexo na concentração de vírus ou na quantidade de vírus presente foi observada no esfregaço nasal ou na saliva. Também não houve diferenças nos níveis de anticorpos - um sinal de que o corpo identificou o vírus - detectados em homens e mulheres infectados.

Homens com SARS-CoV-2 apresentam maior inflamação

No entanto, os autores identificaram diferenças sexuais importantes durante a resposta imune inicial que ocorre logo depois que alguém é infectado com o vírus SARS-CoV-2.

As amostras de sangue foram analisadas para uma variedade de citocinas - algumas das primeiras moléculas sinalizadoras que ajudam as células imunológicas a responder aos patógenos. Os níveis desses sinais aumentam e diminuem para fornecer uma resposta adequada para combater um patógeno invasor. Mas grandes quantidades dessas moléculas podem causar danos graves ao corpo. Este é o caso de uma tempestade de citocinas .

Os autores do relatório Nature observaram diferenças sexuais na força da resposta das citocinas. Os homens apresentaram níveis mais elevados de citocinas que desencadeiam a inflamação, como IL-8 e IL-18, do que as mulheres. Quantidades maiores dessas citocinas estão associadas a doenças mais graves. Em casos graves de COVID-19, o fluido se acumula nos pulmões , reduzindo o oxigênio disponível no corpo para as funções normais. Isso pode causar danos aos tecidos, choque e, potencialmente, a falência de vários órgãos.

Mulheres com SARS-CoV-2 estão mais bem preparadas para eliminar o vírus

Além das diferenças sexuais nos níveis de citocinas, os autores também encontraram diferenças sexuais na função das células imunológicas.

Em comparação com os homens, as mulheres tinham um número maior de células T - essenciais para a eliminação do vírus - que foram ativadas, preparadas e prontas para responder à infecção por SARS-CoV-2. Homens com níveis mais baixos dessas células T ativadas tinham maior probabilidade de ter doença grave.

Portanto, existem vários aspectos da resposta imune humana ao SARS-CoV-2 que diferem entre homens e mulheres. Compreender essas diferenças pode informar como os médicos tratam os pacientes e pode ajudar os pesquisadores a desenvolver terapias específicas para cada sexo.

Suscetibilidade aumentada de COVID-19 em homens é provavelmente biológica

Esses resultados contradizem as especulações de que a suscetibilidade masculina à infecção por SARS-CoV-2 se deve a comportamentos mais arriscados . Isso inclui minimizar a gravidade do vírus, participar de grandes reuniões e ignorar as diretrizes de distanciamento social, bem como reduzir as taxas de lavagem das mãos e uso de máscaras. Em vez disso, as taxas de infecção são realmente semelhantes entre homens e mulheres, enquanto os homens correm mais risco de contrair a doença COVI9-19 grave, sugerindo diferenças biológicas na resposta à infecção.

Este artigo é um dos primeiros de seu tipo a investigar os mecanismos de suscetibilidade às diferenças sexuais. Com maior risco biológico inato de doença grave e morte em homens, isso sugere que os homens podem precisar ser hipervigilantes sobre o distanciamento social, lavar as mãos e usar máscaras.

Uma maior adesão às proteções de prevenção de infecção, especialmente em homens, não só reduziria o risco de infecção, mas também combateria o aumento do risco de doença grave e morte por COVID-19.

A mensagem deste novo artigo é que os pesquisadores precisam considerar estratégias para garantir que os tratamentos e vacinas sejam igualmente eficazes para mulheres e homens , especialmente quando um é mais suscetível do que o outro.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a posição institucional do maisconhecer.com


Meghan E. Rebuli
Professor assistente de Pediatria da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill

 

.
.

Leia mais a seguir