Saúde

Pesquisadores encontram taxas muito altas de Covid-19 na Amazônia brasileira
O Brasil experimentou uma epidemia sem precedentes causada pelo SARS-CoV-2, com> 6,5 milhões de casos notificados até o momento e> 175 mil mortes. A região amazônica, no norte do país, foi a mais atingida.
Por Oxford - 11/12/2020


Vista aérea do porto de artesanato regional da cidade de Manaus, capital do Amazonas, Brasil - Crédito: Shutterstock

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, Brasil), Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam, Manaus, Brasil), Fundação Pró-Sangue / Hemocentro de São Paulo, Imperial College London e Universidade da Oxford Reino Unido, trabalharam juntos para coletar e analisar dados sobre a prevalência de anticorpos SARS-CoV-2, um marcador de infecção prévia, entre doadores de sangue nas cidades brasileiras de Manaus e São Paulo.  

Sua pesquisa foi  publicada na revista Science .

Os autores afirmam que esses resultados são um alerta baseado em dados de qual pode ser a extensão da transmissão do SARS-CoV-2 na ausência de uma mitigação efetiva.

O Brasil experimentou uma epidemia sem precedentes causada pelo SARS-CoV-2, com> 6,5 milhões de casos notificados até o momento e> 175 mil mortes. A região amazônica, no norte do país, foi a mais atingida. Em Manaus, a mortalidade aumentou rapidamente em abril, com serviços de saúde sobrecarregados exigindo valas comuns para enterrar os mortos.

A grande carga de doenças e mortes causadas pela COVID-19 em Manaus enfatiza a importância das coberturas faciais, distanciamento social e lavagem das mãos para impedir a propagação da infecção em todo o Brasil.


O Professor Nuno Faria , Professor Associado da Universidade de Oxford e Leitor do Imperial College, investigador principal do projeto CADDE, disse: 'O grande fardo de doenças e mortes causadas pelo COVID-19 em Manaus enfatiza a importância das coberturas faciais, distanciamento social e lavagem das mãos para impedir a propagação da infecção pelo Brasil - medidas que serão reforçadas pela vacinação para imunizar indivíduos em risco e, em última instância, proteger populações inteiras. '

O Dr. Lewis Buss, médico e pesquisador da Universidade de São Paulo, disse: 'Os bancos de sangue em Manaus e São Paulo fazem parte do Recipient Epidemiology and Donors Study (REDS), que forneceu a infraestrutura para estabelecer rapidamente um programa de testes. Como usamos amostras de sangue residual de doação, foi possível gerar uma longa série de tempo, cobrindo todo o período de transmissão da SARS-CoV-2 no Brasil. '

A professora Ester Sabino, imunologista da Universidade de São Paulo, disse: 'As taxas de infecção atualmente são altas na América Latina e encontramos taxas de infecção particularmente altas em Manaus, a maior metrópole urbana da região amazônica. Manaus é um alerta para outras cidades, por exemplo, São Paulo poderia mais que dobrar o número de mortes se atingisse um nível semelhante de infecção. '

A Dra. Maria do Socorro Carvalho, diretora do Hemoam, disse: 'Acreditamos que Manaus pode servir como uma sentinela para entender a imunidade populacional e a reinfecção.'

Os autores reconhecem que os doadores de sangue não são uma amostra aleatória da população e não representam todos os setores da sociedade, em particular as crianças e os idosos estão excluídos. Eles dizem que seus resultados podem ser extrapolados com cautela para a população na faixa etária elegível.

Leia o artigo completo: 'Taxa de ataque de três quartos do SARS-CoV-2 na Amazônia brasileira durante uma epidemia em grande parte não mitigada' na revista Science

 

.
.

Leia mais a seguir