Talento

Pesquisadores do Centro de Química Medicinal criaram uma série de experimentos para encontrar moléculas com potencial terapêutico
Encontrar moléculas com potencial para tratar doenças humanas é um grande desafio para os pesquisadores da área da saúde. Em um artigo publicado recentemente na revista científica Bioorganic & Medicinal Chemistry, pesquisadores...
Por Daniel Rangel - 21/02/2024


Um dos auores do trabalho e pós-doutorando, Micael Cunha: um pacote de ferramentas como ensaios, reagentes e novas moléculas inibitórias para estudar a proteína

Encontrar moléculas com potencial para tratar doenças humanas é um grande desafio para os pesquisadores da área da saúde. Em um artigo publicado recentemente na revista científica Bioorganic & Medicinal Chemistry, pesquisadores do Centro de Química Medicinal (CQMED) da Unicamp apresentaram uma série de técnicas envolvendo ensaios enzimáticos, ensaios em células vivas e modelagem computacional com o objetivo de agilizar a descoberta de novas moléculas. O estudo usou como modelo uma proteína relacionada ao crescimento de tumores e, após uma investigação com mais de 350 moléculas diferentes, os pesquisadores chegaram a uma molécula candidata a funcionar como inibidora dessa proteína. 

Segundo Micael Cunha, um dos autores do trabalho e pós-doutorando do CQMED, a grande novidade do trabalho consistiu em apresentar à comunidade científica um pacote de ferramentas como ensaios, reagentes e novas moléculas inibitórias para estudar a proteína. “Nós apresentamos uma série de técnicas para a descoberta de novos medicamentos que estão prontas para serem usadas no estudo da proteína MKK3 e também publicamos uma nova classe de inibidores específicos para essa proteína-alvo”, comenta Cunha.

Estudos anteriores já apontavam a proteína MKK3 como um fator importante na sobrevivência e proliferação de células tumorais. Ao inibir a ação dessa proteína, consegue-se interromper o crescimento de tumores. Combinando essa abordagem com outras terapias, aumenta-se significativamente a eficiência do tratamento antitumoral. Em meio ao processo, os pesquisadores do CQMED valeram-se da clonagem, técnica que consiste em copiar o código genético de uma proteína para ser sintetizada em outro organismo de fácil manipulação como uma bactéria. Isso permitiu produzir a proteína em laboratório e assim testar a ação inibitória de vários compostos.

As moléculas mais promissoras passaram por um processo de otimização, tendo sua estrutura química alterada de modo a aumentar a eficiência inibitória no caso específico da proteína MKK3. “Acreditamos que esses procedimentos abrirão caminho para uma nova geração de inibidores de MKK3 com potência e seletividade otimizadas, permitindo aos pesquisadores descobrir as funções específicas dessa proteína na biologia celular”, escreveram os autores do trabalho, realizado na Unicamp.

O coordenador científico do Centro de Química Medicinal Rafael
Couñago: abordagem multidisciplinar para encontrar
novos caminhos e novos modos de análise

Após investigar centenas de moléculas diferentes, os pesquisadores do CQMED identificaram uma bastante promissora. Essa molécula, de nome complicado, pyrazol[3,4-d]pirimidina, mostrou ser capaz de reconhecer a proteína MKK3 e inibir sua atividade. Embora ainda não conte com todas as características necessárias para servir de medicamento, essa nova molécula apresenta potencial como protótipo para futuras pesquisas dedicadas à investigação dos mecanismos celulares de cânceres, prometendo tornar-se uma ferramenta importante para o avanço do conhecimento na área.

Há um longo percurso a ser percorrido desde a identificação de uma molécula promissora até sua aprovação para uso clínico em pacientes, algo que dura, em média, cerca de 15 anos. Por esse motivo, qualquer estratégia capaz de aperfeiçoar a investigação e reduzir esse tempo revela-se importante por acelerar as pesquisas na área. “A abordagem multidisciplinar ajuda muito a encontrar novos caminhos e novos modos de análise. Nesse sentido, temos uma vantagem por reunirmos no mesmo laboratório pesquisadores especialistas voltados à realização de um trabalho situado na interface entre a química e a biologia”, aponta Rafael Couñago, coordenador científico do CQMED e pesquisador da Universidade da Carolina do Norte (Estados Unidos).

“Agora que temos uma sequência de experimentos bem estruturada para estudar essa proteína, pretendemos testar uma quantidade maior de compostos a fim de selecionar aqueles com características desejáveis, realizar modificações químicas e seguir em novas rodadas de testes para avaliar potência, especificidade, toxicidade e capacidade da molécula de interagir especificamente com a MKK3”, disse Cunha

Leia o artigo: “Discovery of pyrazolo[3,4-d]pyrimidines as novel mitogen-activated protein kinase kinase 3 (MKK3) inhibitors”. Bioorganic & Medicinal Chemistry, v. 98, 2024. 

Sobre o CQMED

O Centro de Química Medicinal (CQMED), localizado no Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (CBMEG), é vinculado à Coordenação de Centros e Núcleos (Cocen) da Unicamp, em Campinas (SP). O centro é especializado nas fases iniciais do desenvolvimento de novas drogas e novos diagnósticos moleculares. Para tanto, desenvolveu uma plataforma de descoberta de moléculas inibidoras de alvos específicos relacionados a doenças humanas. O CQMED, fundado em 2015, está atualmente credenciado como uma unidade Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) e integra o Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).