Tecnologia Científica

China pousa em Marte com grande avanço por suas ambições espaciais
A China pousou uma espaçonave em Marte pela primeira vez no sábado, um feito tecnicamente desafiador, mais difícil do que um pouso na lua, no mais recente passo em direção a seus ambiciosos objetivos no espaço.
Por Ken Moritsugu - 16/05/2021


Nesta foto divulgada pela Agência de Notícias Xinhua, membros do Centro de Controle Aeroespacial de Pequim comemoram depois que a sonda Tianwen-1 da China pousou com sucesso em Marte, no centro de Pequim, no sábado, 15 de maio de 2021. A China pousou uma espaçonave em Marte pela primeira vez tempo no sábado, um feito tecnicamente desafiador mais difícil do que um pouso na lua, no mais recente avanço para seus ambiciosos objetivos no espaço. (Jin Liwang / Xinhua via AP)

A China pousou uma espaçonave em Marte pela primeira vez no sábado, um feito tecnicamente desafiador, mais difícil do que um pouso na lua, no mais recente passo em direção a seus ambiciosos objetivos no espaço.

Os planos prevêem que um rover fique na sonda por alguns dias de testes de diagnóstico antes de rolar por uma rampa para explorar uma área de Marte conhecida como Utopia Planitia. Ele se juntará a um rover americano que chegou ao planeta vermelho em fevereiro.

O primeiro pouso da China em Marte segue o lançamento, no mês passado, da seção principal do que será uma estação espacial permanente e uma missão que trouxe de volta rochas da Lua no final do ano passado.

"A China deixou uma pegada em Marte pela primeira vez, um passo importante para a exploração espacial de nosso país", disse a agência oficial de notícias Xinhua ao anunciar o pouso em uma de suas contas de mídia social.

Os EUA tiveram nove pousos bem-sucedidos em Marte desde 1976. A União Soviética pousou no planeta em 1971, mas a missão falhou depois que a nave parou de transmitir informações logo após o toque.

Um rover e um minúsculo helicóptero da aterrissagem americana em fevereiro estão explorando Marte. A NASA espera que o rover colete sua primeira amostra em julho para retornar à Terra em uma década.

Nesta foto divulgada pela Agência de Notícias Xinhua da China, técnicos trabalham no Centro de Controle Aeroespacial de Pequim em Pequim, sábado, 15 de maio de 2021. A China pousou uma espaçonave em Marte pela primeira vez no sábado, um feito tecnicamente desafiador, mais difícil do que uma lua aterrissando, no mais recente avanço para seus ambiciosos objetivos no espaço. (Jin Liwang / Xinhua via AP)

A China já pousou na Lua antes, mas pousar em Marte é uma tarefa muito mais difícil. As naves espaciais usam escudos para proteção contra o calor escaldante de entrar na atmosfera marciana e usam foguetes retro e paraquedas para diminuir a velocidade o suficiente para evitar uma aterrissagem forçada. Os paraquedas e foguetes devem ser lançados em momentos precisos para pousar no local designado. Apenas foguetes mini-retro são necessários para um pouso na lua, e paraquedas por si só são suficientes para retornar à Terra.

A Xinhua disse que a cápsula de entrada entrou na atmosfera de Marte a uma altitude de 125 quilômetros (80 milhas), iniciando o que chamou de "a fase mais arriscada de toda a missão".

Um paraquedas de 200 metros quadrados (2.150 pés quadrados) foi lançado e depois lançado, e então um retrofoguete foi disparado para diminuir a velocidade da nave para quase zero, disse a Xinhua. A nave pairou cerca de 100 metros (330 pés) acima da superfície para identificar os obstáculos antes de tocar nas quatro pernas do buffer.

"Cada etapa tinha apenas uma chance e as ações estavam intimamente ligadas. Se houvesse alguma falha, o pouso teria falhado", disse Geng Yan, funcionário da Administração Espacial Nacional da China, segundo a Xinhua.
 
A aterrissagem foi às 7h18, horário de Pequim (23h18 GMT de sexta-feira; 19h18 EDT), embora mais de uma hora tenha se passado antes que os controladores de solo pudessem confirmar que o pouso foi um sucesso, disse a Xinhua. O rover teve que abrir seus painéis solares e antena, e então demorou mais de 17 minutos para que seus sinais percorressem a distância entre Marte e a Terra.

O presidente chinês Xi Jinping, em uma carta de parabéns à equipe da missão, chamou a aterrissagem de "um passo importante na jornada de exploração interplanetária de nosso país, realizando o salto da Terra-lua para o sistema planetário e deixando a marca dos chineses em Marte para o pela primeira vez. ... A pátria e as pessoas sempre se lembrarão de seus feitos notáveis! "

O Administrador Associado da NASA, Thomas Zurbuchen, tweetou seus parabéns, dizendo: "Junto com a comunidade científica global, estou ansioso para as contribuições importantes que esta missão fará para a compreensão do Planeta Vermelho pela humanidade."

O pouso da China em Marte foi o principal tópico de tendência no Weibo, uma plataforma líder de mídia social, com as pessoas expressando entusiasmo e orgulho.

A espaçonave Tianwen-1 está orbitando Marte desde fevereiro, quando chegou após uma viagem de 6 1/2 meses da Terra. A Xinhua descreveu a missão como a primeira exploração planetária da China.

O rover, batizado em homenagem ao deus chinês do fogo Zhurong, deve ser implantado por 90 dias em busca de evidências de vida. Do tamanho de um carro pequeno, ele tem um radar de penetração no solo, um laser e sensores para medir a atmosfera e a esfera magnética.

O programa espacial da China tem procedido de maneira mais cautelosa do que os EUA e a União Soviética durante o auge de sua corrida espacial.

O lançamento do módulo principal para a estação espacial da China em abril é a primeira de 11 missões planejadas para construir e abastecer a estação e enviar uma tripulação de três pessoas até o final do próximo ano. Embora o módulo tenha sido lançado com sucesso, o retorno descontrolado do foguete à Terra atraiu críticas internacionais, incluindo do administrador da NASA Bill Nelson.

A China disse que quer levar pessoas à Lua e possivelmente construir uma base científica lá. Nenhum cronograma foi divulgado para esses projetos. Um avião espacial também está em desenvolvimento.

 

.
.

Leia mais a seguir